Marques Filho Advogados

EXCHANGE BRASILEIRA PERDE BATALHA PELA MANUTENÇÃO DE CONTA CORRENTE

bitcoin

Ao julgar o recurso interposto pelo Mercado Bitcoin de Serviços Digitais Ltda. (Recurso Especial nº 1696214), a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu, por quatro votos a um, que é válida a cláusula de contrato bancário que prevê a possibilidade de seu encerramento por parte da instituição financeira, independentemente de motivação prévia, levando-se em conta os princípios da autonomia da vontade e da liberdade que permeiam a contratualidade.

O caso discutiu a validade e licitude do fechamento de contas correntes pelo Itaú Unibanco em caso de uso de moeda virtual.

Na origem, a corretora de moedas digitais ajuizou ação de obrigação de fazer contra o Itaú Unibanco pleiteando que fosse reconhecida a abusividade do réu por ter encerrado unilateralmente sua conta corrente sem qualquer justificativa plausível, o que lhe teria causado prejuízos. Alegou que o fechamento da conta poderia tornar marginal a venda de criptomoedas no país, além de ser uma conduta anticoncorrencial por retirar a infraestrutura essencial de sua atividade comercial.

Em sua defesa, o Itaú Unibanco argumentou ter agido dentro do exercício regular de seu direito, mormente porque notificou previamente a corretora conforme lhe incumbia. Sustentou também ser necessário seguir leis de prevenção à lavagem de dinheiro, o que não é feito de modo eficiente quando se trata de moedas digitais.

Hoje, o Banco Central e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) ainda não regulamentam o comércio de criptoativos no Brasil.

O Mercado Bitcoin perdeu a lide em primeira e segunda instâncias, quando então recorreu ao Superior Tribunal de Justiça.

O STJ manteve o entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) no sentido de inexistir qualquer conduta abusiva por parte do Itaú Unibanco ao fechar a conta. “O próprio Conselho Monetário Nacional (CMN) permitiria o encerramento de contas, desde que a instituição atendesse a necessidade de comunicar previamente o correntista”, disse o relator do recurso, Ministro Marco Bellizze.

À exceção da Ministra Nancy Andrighi, voz singular ao apontar as consequências que podem vir da decisão favorável ao Banco, os demais julgadores entenderam ser lícito o encerramento da conta, já que enviada notificação extrajudicial comunicando a intenção do banco em encerrar a avença, tendo agido o Banco dentro das regras definidas pela legislação bancária brasileira.

Assim como o Itaú, outros grandes bancos do país têm encerrado de forma unilateral as contas de empresas de criptomoedas ou se recusado a abri-las.

Essa foi a primeira vez que a Corte Superior se debruçou sobre a questão. O caso é acompanhado de perto por outras corretoras de criptomoedas e pelo sistema financeiro porque o mercado ainda não é regulamentado no Brasil, além de que o julgado servirá como precedente para casos similares.

A matéria também aguarda decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), que investiga reclamações feitas pela Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain (ABCB) contra o fechamento das contas por parte das instituições financeiras. A ABCB pede ao CADE que proíba qualquer instituição financeira de encerrar se negar a abrir conta de qualquer empresa que tenha cumprido as exigências legais para tanto, sob pena de cerceamento da concorrência.

Também há casos no exterior em que se discute a violação à concorrência de mercado ao se encerrar conta bancária. No Chile, por exemplo, o Tribunal de Defesa da Livre Concorrência ordenou o Itaú e Banco Estado (Banco Del Estado De Chile) a reabrirem as contas correntes com a operadora de criptomoedas Buda.com.

https://www.valor.com.br/legislacao/5913993/stj-permite-fechamento-de-conta-da-mercado-bitcoin-pelo-itau

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Fique atualizado com notícias e informações da área do Direito

VEJA MAIS

O QUE É FUSÃO E AQUISIÇÃO DE EMPRESAS?

Este texto busca examinar este mercado de uma perspectiva macroeconômica, analisando aspectos gerais de uma operação de fusão e aquisição e responder de forma clara e objetiva o que é fusão e aquisição de empresas.

GARANTIAS NA CPR TÊM PRIVILÉGIO ESPECIAL

Recente decisão do Tribunal de Justiça do Mato Grosso, publicado em 2022, resolveu uma disputa entre dois credores pela preferência da penhora de grãos de

CATEGORIAS

AUTORES

RECENTES

Como podemos lhe ajudar?

Entre em contato e agende sua consulta jurídica

COMPARTILHE

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter